Companhia de Viagem

O que acontece com a comida que sobra no avião?

Marcio Moraes

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Segundo o site Airport Lifestyle, em média, uma aeronave com 300 passageiros carrega aproximadamente 600 pratos. Vocês sabiam disso? Muitas pessoas poderiam ser alimentadas com o que não foi aproveitado (e muitas vezes nem tocado). Então resolvi entender e compartilhar com vocês onde vai parar toda essa comida excedente.

Uma norma regulada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e pelo Vigiagro (Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional) determina que, assim que o avião chega a seu destino, toda a comida não consumida deve ser incinerada junto com lixos e embalagens do voo. Isso porque além das centenas de passageiros de lugares diferentes, a aeronave passa por muitos países, então pode haver o risco de transmissão de doenças. Na maioria das cidades do mundo essa é a regra, inclusive em todo o Brasil.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Nem mesmo as equipes das companhias aéreas podem pegar algum alimento não consumido. Alguns locais, porém, como em grande parte dos Estados Unidos, até permitem que os funcionários com salários mais baixos comam bolachas e alimentos fechados, mas nada pode sair do espaço do aeroporto. Na Índia, por outro lado, há um mercado negro de produtos e alimentos de aviões. Segundo o site americano Huffington Post, o contrabando provavelmente é realizado por funcionários das companhias aéreas ou por pessoas que roubam os produtos do lixo do aeroporto, principalmente garrafas de água e bebidas alcoólicas.

A Austrália se destaca por liberar a comida para doação. A organização OzHarvest tem autorização para recolher alimentos de hotéis, supermercados, restaurantes e as refeições de avião fechadas ou de voos cancelados nos aeroportos do país. Em parceria com as companhias aéreas e com a ajuda de voluntários, eles arrecadam aproximadamente 160 toneladas de comida de avião por ano, correspondentes a cerca de 480.000 refeições. Os alimentos como barrinhas de cereal, muffins, pretzels e frutas frescas, são distribuídos para sem-tetos e outras 800 entidades de caridade pelo país. Uma ótima iniciativa, certo?