Companhia de Viagem

Arquivo : festas

Top 10: melhores atrações de Barbados
Comentários Comente

Marcio Moraes

Terra da Rihanna, Barbados é o verdadeiro paraíso tropical! O país mistura a beleza das praias caribenhas, de areia branca e mar cristalino, a uma cultura vibrante, com muita música, dança e cores. Fiquei encantado com a alegria do povo de lá. As paisagens deslumbrantes e toda a bagagem étnica fazem com que esse seja um destino perfeito para uma viagem romântica, em família ou com amigos.

A língua oficial é o inglês mesmo, mas há outros três dialetos, o hindi, o bhojpuri e o bajan, que aparece em algumas partes da música Work, da Riri. E atrações de todos os tipos não faltam. Então escolhi os 10 melhores programas para quem quer conhecer a ilha caribenha e shine bright like a diamond (ou brilhar como um diamante, traduzindo livremente a música da cantora).

Crop Over – Festa da Colheita – Bridgetown Market

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Barbados é o palco de um dos maiores festivais de colheita do mundo, o Crop Over, que marca o fim da temporada da cana-de-açúcar. As comemorações começam em maio e vão até a primeira semana de agosto, com shows de canto, dança e blocos de desfile de rua. O evento é marcado por muita música barbadiana e cores vibrantes, com direito a tinta e pó colorido. Se der sorte, você ainda pode encontrar a Rihanna por lá, já que a cantora nunca perde a festa e sempre se veste com os trajes típicos, parecidos com os das passistas do carnaval brasileiro.

Surf em Soup Bowl – praia de Bathsheba

Surf-em-soup-bowl-barbados

Foto: Divulgação

Qual surfista nunca sonhou em pegar ondas caribenhas? Na praia de Bathsheba, há o chamado Soup Bowl, ponto onde ondas com mais de 3 metros de altura impressionam os apaixonados por surf do mundo inteiro, principalmente entre novembro e fevereiro. Entretanto, Barbados é conhecido por ser propício para o surf o ano todo! Lá acontecem diversos campeonatos, então vale a pena visitar e assistir a surfistas profissionais se arriscando com suas pranchas.

Island Safari – Costa leste de Barbados

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Quer explorar a fundo a natureza barbadiana? Então uma boa ideia é participar de um island safari feito com jipes 4×4. Além do trajeto ser uma ótima aventura por si só, o passeio te leva para conhecer florestas e praias que não costumam estar nos roteiros habituais dos turistas por serem pontos de difícil acesso.

Preço: a partir de 200 reais

A destilaria do rum mais antigo do mundo – Bridgetown

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Sabia que o rum foi criado em Barbados? Mantendo a bebida como tradição, o país tem quatro destilarias e três fábricas com visitações abertas. Mount Gay, em Bridgetown, é a mais famosa delas e a mais antiga do mundo, em funcionamento desde 1703. Os turistas podem escolher entre três tipos de tour: simples, com degustação de coquetéis ou com jantar completo.

Preços: R$ 30 (tour tradicional) / R$ 160 (com degustação) / R$ 200 (jantar completo)

Passeio de Catamarã – Costa leste de Barbados

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Pra mim, passear de barco é, sem dúvidas, uma das melhores maneiras de conhecer o país. Na costa oeste da ilha caribenha, há lugares apenas acessíveis pelo mar. Logo, os catamarãs são populares e levam turmas a partir de 12 pessoas para explorar a ilha, com direito a parada para mergulhar com snorkel e nadar com tartarugas.

Preço: R$ 140

Dançar no Harbour Lights – St. Michael

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A música é grande parte da cultura barbadiana e está presente em todos os lugares, até nas ruas. O ritmo calypso é um dos mais populares e realmente lembra a banda Calypso aqui do Brasil. Já o soca parece ser uma versão mais eletrônica para baladas. Para curtir a tradição, vale visitar os festivais frequentes no país, mas também há outra opção que dura o ano inteiro: o Harbour Lights, uma casa noturna com shows interativos. As festas acontecem na areia da praia e acompanham churrasco e diversos drinks. Nessas horas a piña colada faz bastante sucesso.

Preço da entrada: R$ 100

Mercado de Oistins – Oistins

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A culinária caribenha não pode ficar de fora do roteiro. No pequeno vilarejo Oistins há um mercado de peixes famoso. Quiosques e pequenos restaurantes preparam a especialidade da área: peixe frito. O mais pedido é o peixe-voador. Aos fins de semana, o mercado também recebe atrações musicais que completam o clima barbadiano.

Preço: R$ 50 (um prato bem servido de peixe frito e bebida)

Andar de submarino – Bridgetown

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Esse é um mergulho bem diferente de tudo o que você já fez, nem precisa se molhar! E é preciso fazer reservas com antecedência para andar no Submarino Atlantis. Os passageiros descem até a profundidade de cerca de 55 metros abaixo do nível do mar e, por uma hora, se deslumbram com a vida marinha e os navios naufragados. O trajeto realizado na costa sudeste do país pode ser feito durante o dia, para ver melhor os peixes, ou à noite, quando o show fica por conta dos corais.

Preço: R$ 320

Fazer compras em Lime Grove – St. James

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O Lime Grove é uma espécie de shopping a céu aberto, perfeito para um agradável dia de compras. Há várias lojas de grifes famosas, como Ralph Lauren, Bvlgari, Michael Kors e Burberry. O melhor é que em Barbados os turistas não pagam os impostos, então é só apresentar o passaporte e é como se todos os lugares fossem um duty free!

Cidade histórica de Bridgetown – Bridgetown

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Bridgetown é a maior cidade de Barbados. Desde 2011, a capital é considerada um Patrimônio Mundial da UNESCO, logo, é legal conhecer alguns pontos turísticos e históricos. O prédio do Parlamento de Barbados, de 1639, é um dos mais visitados e funciona como museu de história nacional. A zona portuária também tem destaque: é por lá que são exportados melaço, cana-de-açúcar e rum, as principais fontes de renda do país. Os cruzeiros também chegam por esse porto, com ótima vista para tirar fotos!

Ficou a fim de ir? Saiba quanto custa:

R$3.469 – passagem de avião da classe econômica

R$3.500 – uma semana de hospedagem no Blue Horizon Hotel

Valor total do roteiro: aproximadamente 8 mil reais por pessoa.

 

 


10 festas juninas pelo mundo para entrar no ritmo dos arraiás
Comentários Comente

Marcio Moraes

Acenda a fogueira, prepare o vinho quente e procure o seu par para dançar quadrilha! São as festas juninas, que definem o mês de junho em uma celebração enraizada na nossa cultura desde os tempos do descobrimento do Brasil.
 

De origem europeia, a celebração pagã marca o solstício de verão no hemisfério Norte e, antigamente, o início da colheita entre os camponeses. Chegou ao Brasil pelos portugueses na época da colonização e, sob forte presença dos jesuítas, foi difundida em todo território nacional.

 

Os símbolos, presente nas quermesses, possuem significados de diferentes culturas. A fogueira, por exemplo, representa a proteção dos maus espíritos, que ameaçavam a prosperidade das plantações. O mesmo se aplica aos fogos de artifício, usados pelos chineses como forma de agradecimento aos deuses. Alimentos nativos, como milho e mandioca, foram ideia dos missionários jesuítas.

 

Com tantas influências, a festa junina não é apenas um momento de celebração, mas uma expressão da pluralidade cultural. Abaixo, você confere os costumes que definem as comemorações do mês de junho.

 

1.     Bumba Meu Boi – São Luís (MA)

Bumba-meu-boi

Divulgação

 

Considerada uma das festas mais marcantes da cultura maranhense, o Bumba Meu Boi leva para as ruas todo tipo de folião. Celebrado há mais de 200 anos, o enredo conta a história de um escravo, Francisco, que mata o boi de estimação do senhor da fazenda para saciar a fome de sua esposa grávida, Catirina. Arrependidos, eles convocam pajés e curandeiras para ressuscitar o animal – com sucesso. Atualmente, a festividade começa em 13 de junho e vai até o dia 30 do mesmo mês, com muita música, dança e teatro. 

 

2.     Hogueras de San Juan – Alicante, Espanha

Hogueiras-San-Juan

Divulgação

 

Oficializada em 1928, a festa das Hogueras de São João faz parte de antigos costumes dos habitantes de Alicante, no sudeste da Espanha. Às margens do mar Mediterrâneo, eles acendiam fogueiras e jantavam ao ar livre para festejar a chegada do verão no mês de junho. Com início no dia 20, o evento dura quatro dias e conta com desfiles das hogueras, que são figuras satíricas feitas de papelão. Elas representam os bairros da cidade.

 

3.     Ivan Kupala – Rússia, Ucrânia, Bielorrússia, Polônia e Países Bálticos

Kupala-Night

Divulgação

 

Incorporada pela Igreja Ortodoxa, a festividade pagã é celebrada por diversos foliões no dia 24 de junho. Ela faz alusão a Kupala, deusa polonesa das ervas, feitiçaria, sexo e do verão. Entre as tradições da festa estão saltar fogueiras, tomar banho ao ar livre e cantar e dançar com amigos até meia-noite. As mulheres solteiras vestem coroas de flores, que são jogadas em rios para atrair pretendentes. Os homens podem, inclusive, tentar capturá-las.

 

4.     São João – Campina Grande (PB)

 

Divulgação

Divulgação

Tradicional na cultura regional nordestina, a festa de São João de Campina Grande é considerada a maior do mundo e reúne música, gastronomia e artesanato no enorme Parque do Povo, de 43 mil metros quadrados. A programação do evento dura um mês e vai até o dia 03 de julho. Destaque para as quadrilhas juninas e o trem do forró, que leva alegria para os trilhos da Locomotiva Forrozeira, trem composto por sete vagões animados por um trio de forró.

 

5.     Tirgan – Irã

 

Divulgação

Divulgação

Em homenagem à deusa da Chuva, Tishtrya, segundo a religião do zoroastrismo, os iranianos celebram o Tirgan entre os dias 03 e 05 de julho. Conhecido como Festival da Chuva, em homenagem às tempestades que impulsionam as colheitas, ele celebra o solstício de verão com gravatas com as cores do arco-íris jogadas em rios e córregos. As atividades incluem dança, guerra d’água e alimentos, como sopa de espinafre – tradicional na cultura local.

 

6.     Stonehenge – Wiltshire, Inglaterra

 

Foto por Paulo Grover

Foto por Paulo Grover

Já imaginou acampar em frente a um Patrimônio Mundial da UNESCO? Saiba que isso é possível na festa junina do Stonehenge, formação de monólitos em um plano circular. Durante quatro dias (18 a 21 de junho), enormes fogueiras, música ao vivo e barracas de comida reúnem centenas de jovens para o solstício de verão.

 

7.     São João de Caruaru – Caruaru (PE)

 

Foto por Rafael Lima

Foto por Rafael Lima

No agreste pernambucano, uma das maiores festividades juninas do Brasil é marcada por muito forró e folclore. Entre os dias 04 e 29 de junho, o São João de Caruaru reúne uma programação com quadrilha e bastante música – em 2016, por exemplo, Wesley Safadão e Gusttavo Lima estão entre os convidados. Vale lembrar que o período é o mesmo do festival das comidas gigantes, com barracas típica que servem arroz doce, milho, canjica, entre outros.

 

8.     Wianki – Polônia

 

Divulgação

Divulgação

Patrocinado pela Prefeitura da Cracóvia, o Wianki acontece na curva do rio Wisla desde 1992. Embora a tradição polonesa de comemorar o solstício de verão seja bem mais antiga do que a oficialização, a adoção do cristianismo preservou algumas tradições do passado: fogueiras, balões iluminados e espetáculos de fogos de artifícios. Eventos como o Dia da Música espalham oficinas musicais para crianças e deixam a segunda cidade mais populosa do país em festa.

 

9.     Festa dos Santos Populares – Lisboa, Portugal

 

Divulgação

Divulgação

As homenagens aos santos populares – Santo Antonio, São João e São Pedro – se espalham pelas ruas de cidades como Lisboa e Porto. Na capital de Portugal, por exemplo, as marchas populares desfilam por lugares como a Avenida Liberdade, que costumam encher nos dias 12 e 13 de junho. Nessa época do ano, os famosos vasinhos de manjerição predominam entre os jovens, com declarações de amor no verso – como o nosso correio elegante.

 

10. Forró Caju – Aracaju (SE)

 

Divulgação

Divulgação

Promovida pela Prefeitura de Aracaju, a maior festa junina de Sergipe e uma das maiores do Nordeste começa no dia 18 e dura até o dia 29 de junho. A programação conta com música, danças folclóricas e até professores para ensinar o ritmo aos interessados. Bandas pé-de-ferro, que preservam a raiz do forró, também marcam presença.

 


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>