Companhia de Viagem

Conheça a caverna dos cristais gigantes
Comentários Comente

Marcio Moraes

Olá amigo,

O feriado da Páscoa está aí e é uma ótima oportunidade para você programar uma boa viagem, não é mesmo? Que tal, então, se inspirar com a Mina de Naica e seus incríveis cristais gigantes, situados no estado de Chihuahua, no norte do México?

Encontrada no ano 2.000 por dois mineiros – os irmãos Eloy e Javier Delgado –, a Caverna dos Cristais abriga pedras de selenito que podem chegar a 11 metros de altura, 4 metros de diâmetro e 55 toneladas. Muitos acreditam que são os maiores do mundo!

Foto: Reprodução

A câmara subterrânea está a 300 metros de profundidade, dentro do complexo de Naica, e é considerada uma das mais importantes descobertas geológicas dos últimos anos. O feito aconteceu quando a dupla explorava os minerais presentes na região.

A paisagem dá a impressão de que os cristais são grandes rochas de gelo, mas a temperatura entre 45ºC e 50ºC não engana: estamos abaixo do solo, onde a umidade é de 100%. Tais condições climáticas exigem o uso dos equipamentos adequados, senão os fluídos podem condensar nos pulmões.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Além da Caverna dos Cristais, a Caverna Olho da Rainha foi descoberta na mesma data, e leva esse nome devido ao seu formato de túnel com 8 metros de diâmetro. Há também a Caverna das Espadas – descoberta em 1.910 – e a Caverna das Velas, a maior e última gruta a ser explorada.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Até a próxima!


Você sabe onde fica a Babilônia?
Comentários Comente

Marcio Moraes

Caro amigo,

Mal nos despedimos do Comendador, de Império, e outra novela global já tem causado reboliço: Babilônia. Desta vez, parte da história se passa em uma comunidade de mesmo nome, situada na zona sul do Rio de Janeiro. Mas você já deve ter ouvido falar na região histórica, muito citada na Bíblia, cujo significado é de confusão, não é mesmo? E você sabe o que foi e onde fica a verdadeira Babilônia?

Copyright: Jukka Palm/ Shutterstock

Copyright: Jukka Palm/ Shutterstock

A palavra babilônia vem de babel, que na transcrição do grego e hebraico para o português significa confusão, desordem. Na língua babilônica, entretanto, acredita-se que o significado era “porta de Deus”.

Copyright: thomas koch/ Shutterstock

Esta histórica cidade foi a antiga capital da Suméria, na Mesopotâmia, que hoje corresponde ao território do Iraque. Muitos historiadores acreditam que o Império Babilônico teve grande importância para a origem da civilização devido ao Código de Hamurabi. Constituído pelo rei de mesmo nome que atuava na época, dizem que este é o conjunto de leis mais antigo do mundo.

Copyright: thomas koch/ Shutterstock

Copyright: thomas koch/ Shutterstock

Outra crença em torno desta antiga sociedade é que ela teria sido fundada em torno de 1.950 antes de Cristo. Este povo ficou conhecido pelas avançadas técnicas de astronomia, arquitetura, agricultura, organização social, conquistas militares e economia.

Copyright: thomas koch/ Shutterstock

Copyright: thomas koch/ Shutterstock

O território também foi abrigo dos mitos da Torre de Babel e dos Jardins Suspensos da Babilônia, considerados uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. Se existiram mesmo ou não, já é pauta para outra discussão.

Copyright: garanga/ Shutterstock

Copyright: garanga/ Shutterstock

Infelizmente, pouco resta do local além de ruínas mal preservadas e judiadas pelo tempo. Há, inclusive, um projeto chamado Future of Babylon, que visa a restauração do sítio arqueológico, bastante deteriorado após a interferência do ex-ditador Saddam Hussein. Durante os anos 1.980, o líder político tentou reconstruir a Babilônia, sobrepondo tijolos com seu nome nos muros do local.

Atualmente, contudo, o país ainda vive em constantes conflitos. Por isso, é essencial estar muito bem preparado antes de se aventurar pela região.

Copyright: thomas koch/ Shutterstock

Copyright: thomas koch/ Shutterstock

 

Ótima viagem!


Já imaginou entrar em um porta-aviões?
Comentários Comente

Marcio Moraes

Olá amigo,

Como o post da semana passada sobre o caça de guerra russo MIG-29 foi um sucesso, vou aproveitar a onda para mostrar a você o Intrepid Sea, Air & Space Museum, uma das atrações mais interessantes de Manhattan, nos Estados Unidos. Claro que sou suspeito para falar, afinal, sou fã assumido de aeronáutica. Mas tenho certeza que qualquer um ficaria curioso para conhecer um navio porta-aviões, não é mesmo?

tt

Crédito Editorial: ATGImages Shutterstock

O museu foi fundado em 1.982 com a aquisição do USS Intrepid, considerado Patrimônio Histórico Nacional. A embarcação serviu o exército americano durante grandes conflitos do século 20, como a Guerra Mundial e a Guerra do Vietnã, além de ter sido base para missões espaciais. Já pensou?

Crédito Editorial: ATGImages Shutterstock

Crédito Editorial: ATGImages Shutterstock

O interessante do navio é que ele não apenas servia como plataforma de apoio e manutenção para as naves, mas também era utilizado como pista de voo móvel. Dentro, há ainda diversos modelos de aeronaves restaurados, como o Lockheed A-12 Blackbird, o avião militar mais rápido do mundo.

Crédito Editorial: Keith Sherwood  Shutterstock

Crédito Editorial: Keith Sherwood Shutterstock

Mas o USS Intrepid não é a única atração. Além dele, os visitantes ainda podem conhecer o submarino USS Growler, o único submarino americano de míssil teleguiado. Parte do acervo desde 1.989, nesta área do museu é possível fazer tours com guias até pela sala de comando central, antes considerada super secreta!

Crédito Editorial: Ritu Manoj Jethani  Shutterstock

Crédito Editorial: Ritu Manoj Jethani Shutterstock

Já a mais recente aquisição do espaço é o ônibus espacial Entreprise, protótipo da Nasa construído nos anos 1.970. Na visita ao Space Shuttle Pavilion, os turistas escutam conversas entre pilotos e a torre de controle, gravadas durante voos de teste na nave. E além de todo o ambiente, até 13 de setembro de 2015 está em cartaz a mostra HUBBLE@25, que celebra os 25 anos do local com a exibição da história do projeto com fotografias e arquivos originais.

Crédito Editorial: Frank11  Shutterstock

Crédito Editorial: Frank11 Shutterstock

E para os mais empolgados ou para as famílias que estiverem em férias com as crianças, vale conhecer o The Exploreum: um hangar repleto de brinquedos interativos, como um helicóptero Bell 47, um submarino, simuladores e muito mais.

Crédito Editorial: Keith Sherwood  Shutterstock

Crédito Editorial: Keith Sherwood Shutterstock

O Inteprid Sea, Air & Space Museum recebe cerca de um milhão de visitantes todos os anos. Quem sabe você faz parte desse número em 2015?

Bom passeio!


Que tal embarcar no Expresso de Harry Potter?
Comentários 1

Marcio Moraes

Meu amigo,

A saga “Harry Potter” já chegou ao fim, mas tenho certeza que os fãs nunca vão esquecer as aventuras vividas pela turma de bruxos nesta fantástica cinessérie. Digo isso, porque eu já vi – e até postei por aqui – muitas tentativas de reviver a ficção, como um curso que recria a escola de magia da história, um quarto de hotel inspirado nos aposentos do grupo, jogos baseados na trama e muito mais. Mas você sabia que o famoso trem Hogwarts Express realmente existe?

Copyright: Philip Bird LRPS CPAGB/ Shutterstock

Copyright: Philip Bird LRPS CPAGB/ Shutterstock

É o The Jacobite, da West Coast Railways, hoje mais conhecido como Expresso de Harry Potter. Localizado na Escócia, no Reino Unido, a locomotiva foi fundada em 1949 e corta o norte do país em um roteiro considerado um dos mais bonitos do mundo.

Copyright: Philip Bird LRPS CPAGB/ Shuterstock

Copyright: Philip Bird LRPS CPAGB/ Shuterstock

A viagem de pouco mais de 130 quilômetros começa na cidade de Fort William, o maior município das Terras Altas escocesas. Localizado ao sul do Great Glen, o destino é um dos mais turísticos da região e também é a principal porta de entrada para a West Highlands.

Copyright: Bucchi Francesco/ Shutterstock

Copyright: Bucchi Francesco/ Shutterstock

Já a paisagem que levou fama ao trem em “Harry Potter” é o viaduto de Glenfinnan e seus 21 arcos. A vista para o Loch Shiel – um lago com mais de 20 quilômetros de comprimento – e o Jacobite Monument é lindíssima e ótima para render muitas fotos! Uma vez na estação, os passageiros podem ainda visitar o West Highland Railway Museum.

Copyright: Martin M303/ Shutterstock

Copyright: Martin M303/ Shutterstock

A terceira parada é em Arisaig, uma vila tranquila às margens do Loch nan Ceall. Dali, os visitantes podem ir de barco às Small Isles. Outra curiosidade é que o vilarejo é a sede para os clássicos Jogos Highland.

Copyright: John A Cameron/ Shutterstock

Copyright: John A Cameron/ Shutterstock

E, finalmente, chegar em Mallaig é outra agradável surpresa. A cidade foi fundada em 1840 e é banhada pelos lagos Morar e Nevis. Repleta de bares, restaurantes e lojas, é o lugar ideal para terminar uma viagem tão agradável como esta!

Copyright: Targn Pleiades/ Shutterstock

Copyright: Targn Pleiades/ Shutterstock

Segundo a West Coast Railways, que administra os passeios do The Jacobite, os compartimentos utilizados para as gravações do filme não estão disponíveis, mas podem ser liberados, caso o trem seja totalmente reservado. Que tal tentar a sorte?

Copyright: John A Cameron/ Shutterstock

Copyright: John A Cameron/ Shutterstock

Ótima viagem!


Conheça a fantástica migração das Borboletas Monarcas
Comentários Comente

Marcio Moraes

Olá companheiro,

Fenômenos naturais extraordinários acontecem ao redor do mundo. Você já deve ter ouvido falar na Grande Migração do Serengeti – quando milhares de gnus migram em busca de alimentos anualmente na Tanzânia e Quênia –, ou na Aurora Boreal, típica nas regiões polares como Noruega, Finlândia, Alasca, entre outros destinos. Mas você já viu a incrível migração das borboletas monarcas?

Copyright: Chris Frost/ Shutterstock

Copyright: Chris Frost/ Shutterstock

Assim como todas as espécies de animais selvagens, esses insetos de cor alaranjada migram na época do inverno para lugares mais quentes em busca de alimentos. No caso das monarcas, as áreas de procriação ficam na divisa entre o norte dos Estados Unidos e o sul do Canadá, na região do Parque Nacional das Montanhas Rochosas.

Copyright: Noradoa/ Shutterstock

Copyright: Noradoa/ Shutterstock

Quando o clima começa a esfriar, geralmente em outubro, milhares e até milhões dessas borboletas viajam atrás de temperaturas mais amenas. E é aí que todo o show começa. De porte pequeno, elas percorrem cerca de 50 quilômetros por dia, parando para comer e descansar durante todo o percurso até o sul da Califórnia e as florestas de Oyamel, no México. Já imaginou ver o céu coberto por borboletas coloridas? Que incrível!

Copyright: Michael Warwick/ Shutterstock

Copyright: Michael Warwick/ Shutterstock

Mesmo com menos de um grama cada, a quantidade de pequenas voadoras é tão grande que quando elas pousam nas árvores, alguns galhos chegam a cair por causa do peso. O mesmo fenômeno acontece por volta de março, quando elas retornam às Montanhas Rochosas.

Copyright: Michael Warwick/ Shutterstock

Copyright: Michael Warwick/ Shutterstock

Mas o mais interessante de tudo isso é que nenhuma dessas borboletas consegue completar o ciclo migratório. Isso porque o período de vida delas é muito curto, então leva de três a quatro gerações para que um curso seja concluído por inteiro.

Copyright: StevenRussellSmithPhotos/ Shutterstock

Copyright: StevenRussellSmithPhotos/ Shutterstock

O problema é que a seca, o desmatamento e até o uso de herbicidas tem provocado uma grande queda na população dessas borboletas. Por isso, reforço o meu apelo pela preservação da natureza. Esse é um dever de todos, e que só nos traz benefício, não é mesmo?

Copyright: Paul Reeves Photography/ Shutterstock

Copyright: Paul Reeves Photography/ Shutterstock

Ótima viagem e bom fim de semana!


Conheça The Miracle Garden, mais uma das maravilhas modernas de Dubai
Comentários Comente

Marcio Moraes

Olá amigo,

Hoje eu quero mostrar a você um dos lugares mais impressionantes já criados pelo homem nos últimos tempos: The Miracle Garden, em Dubai. Com mais de 70 mil metros quadrados, esse imenso jardim poderia servir como o cenário perfeito para um conto de fadas. As crianças vão adorar! Quer ver?

Copyright: bright/ Shutterstock

Copyright: bright/ Shutterstock

Formado por cerca de 120 milhões de flores, o local chama a atenção pelo design ousado das suas esculturas coloridas feitas inteirinhas de plantas!

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Dividido em duas partes, a Fase 1 do parque abriga verdadeiras obras de arte em formato de corações, arcos, estrelas, animais, túneis, cascatas e muito mais, além da réplica do Burj Khalifa – o edifício mais alto do mundo.

Copyright: mariakraynova/ Shutterstock

Copyright: mariakraynova/ Shutterstock

Há também uma passarela forrada por guarda-chuvas, a Vila dos Cogumelos, Área da Ferrari, o Rio de Flores e também a Zona do Carro, onde diversos modelos de veículos servem como base para pequenos jardins.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Já a Fase 2, que está em implementação, será ainda mais interativa. Desenhado em 3D, o The Butterfly Garden vai aceitar apenas 300 visitantes por vez. Ali também haverá uma loja de souvenires, o Jardim Aromático – com plantas de mais de 200 países –, um relógio cuco com 15 metros de diâmetro e muito mais!

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

E aí, ficou animado? Para mais informações, acesse o site: www.dubaimiraclegarden.com.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Boa viagem!


Você sabia que é possível pilotar um caça de guerra na Rússia?
Comentários 72

Marcio Moraes

Olá amigo,

Se você é apaixonado por aeronaves como eu, com certeza vai gostar muito do post de hoje. Isso porque eu vou mostrar a você como e aonde pilotar um caça de guerra russo MIG-29! Já imaginou?

Copyright: Janez Habjanic / Shutterstock

Copyright: Janez Habjanic / Shutterstock

Pois é, isso é possível, sim! Mas você tem que gostar de adrenalina, hein? O voo dura de meia a uma hora e inclui muitas manobras. E o melhor: você ficará no comando por cinco minutos!

Copyright: Mike Charles/ Shutterstock

Copyright: Mike Charles/ Shutterstock

Construído para servir a Força Aérea Russa, o modelo impressiona pelo porte físico, além dos dois motores RD-33 e peso relativamente leve. Tudo isso ajuda na aerodinâmica incrível desse avião que, aliás, sobe até a estratosfera! Sem contar que um jato desses pode ultrapassar a velocidade do som e voar a mais de 2.000 km/h! Não é à toa que este é um lendário caça de guerra!

Copyright: attila/ Shutterstock

Copyright: attila/ Shutterstock

Para estar apto a este passeio, porém, é necessário fazer exames clínicos, pois o visitante não pode ter nenhum problema de saúde. Também é requisito ser maior de idade e pesar menos de 100 quilos.

Copyright: De Visu/ Shutterstock

Copyright: De Visu/ Shutterstockae

Aqui no Brasil, a Agência Marcos Pontes é especializada em turismo exclusivo, com viagens até para o espaço! O pacote, com valores sob consulta, já inclui todo o treinamento obrigatório com o próprio astronauta Marcos Pontes. Os passeios acontecem a partir da Base Aérea de Sokol, na cidade russa de Nizhny Novgorod.

www.agenciamarcospontes.com.br

Copyright: bibiphoto/ Shutterstock

Copyright: bibiphoto/ Shutterstock

E aí, você teria coragem?

Ótimo voo!


E por falar em Império, tenha acesso a um dos maiores diamantes do mundo
Comentários 1

Marcio Moraes

Olá companheiro,

Para a tristeza de muitos, a novela global Império chega ao fim na noite desta sexta-feira. Mas você ainda deve se lembrar de que as minas de diamantes eram a fonte de renda do protagonista, o Comendador, não é mesmo? E sabia que uma das maiores pedras preciosas do tipo está na Turquia?

Copyright: RTimages/ Shutterstock/ imagem meramente ilustrativa

Copyright: RTimages/ Shutterstock/ imagem meramente ilustrativa

Pois é. Construído durante o Império Otomano, entre 1460 e 1478, pelo Sultão Mahmet II – o conquistador da Constantinopla –, o Palácio de Topkapi esconde muitas joias como o Kasikci, internacionalmente conhecido como Spoonmaker’s Diamond. A peça em formato de gota possui 86 quilates e é rodeada por 40 brilhantes! Linda, hein?

Copyright: muratart / shutterstock

Copyright: muratart / shutterstock

Não se sabe muito sobre a origem do adorno. Diz a lenda que o nome se dá devido ao formato parecido com o de uma colher. No entanto, outros acreditam que é porque a primeira pessoa a adquirir o diamante foi um fabricante de colheres. Mas uma das mais plausíveis versões dessa história relata que a pedra pertenceu à mãe de Napoleão Bonaparte, sendo vendido no século 18 ao militar Ali Pasha. Quando ele foi assassinado, todos os seus tesouros foram transferidos ao reinado otomano.

Copyright: Sergey Novikov/ shutterstock/ foto meramente ilustrativa

Copyright: Sergey Novikov/ shutterstock/ imagem meramente ilustrativa

Desde sua construção, o paço foi o lar de grandes sultões. No século 19, porém, foi abandonado até ser transformado em museu, em 1924, com a constituição da República da Turquia. Hoje com 400 mil metros quadrados e múltiplos ambientes, o casarão está localizado na cidade de Istambul e é um dos maiores palácios-museu do mundo, com um acervo de cerca de 300 mil documentos.

Copyright: Vladyslav Danilin/ shutterstock

Copyright: Vladyslav Danilin/ shutterstock

Tantos arquivos, joias e objetos históricos estão divididos entre as coleções Armas, Porcelanas Chinesas e Japonesas, Utensílios de Cozinha em Cobre e Ouro, Porcelanas Europeias, Tesouro Imperial, Vidros e Porcelanas de Istambul, Pavilhão de Relíquias Sagradas, Retratos e Pinturas de Sultões, Prataria, além de Tecidos, Tapetes e Revestimentos Sagrados dos Sultões.

Copyright: Alfonso Ianniello/ shutterstock

Copyright: Alfonso Ianniello/ shutterstock

Mas não se apegue apenas aos tesouros. Só a arquitetura do palácio já faz valer a visita! Atente-se aos detalhes da história e conheça também o Portão de Saudação, a Igreja de Hagia, o Jardim das Tulipas e muito mais!

Copyright: Artur Bogacki/ Shutterstock/ Igreja de Hagia

Copyright: Artur Bogacki/ Shutterstock


Maior competição de vela do mundo chega a Itajaí
Comentários Comente

Marcio Moraes

Olá amigo,

Você já deve ter ouvido falar na Volvo Ocean Race, a maior regata de volta ao mundo do planeta, não é mesmo? Pois você sabia que em abril a competição acontece em Itajaí, no litoral catarinense? Eu, amante de esportes náuticos que sou, com certeza estarei lá!

Foto: divulgação

Foto: divulgação

De 03 a 19/04, a 12ª edição do evento vai agitar a cidade, situada junto à foz do Rio Itajaí-Açu. Serão 16 dias de parada para os sete times competidores, que devem partir neste domingo de Auckland, na Nova Zelândia.

Além do tempo para chegada, manutenção e descanso dos grupos, cada etapa possui também uma competição In-Port, com duração de uma hora. Tudo isso acontece dentro da Vila da Regata, estrutura criada para receber o evento e fãs do esporte, que ainda têm acesso a exposições, atividades culturais, concertos e muito mais.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Fundada em 1973, a corrida é o evento esportivo mais longo do mundo, com duração de nove meses. O maior desafio é enfrentar situações adversas como clima hostil, condições difíceis de navegação e comunicação restrita. Mas tudo isso, claro, com o suporte profissional necessário por parte dos organizadores.

Inclusive, uma das coisas que mais gosto de ver na Volvo Ocean Race é o modelo de barco disponibilizado às equipes, assim como toda a tecnologia a bordo. Para as próximas etapas, os grupos vão velejar com a embarcação Volvo Ocean 65, desenhada pela Farr Yacht Design e construída por quatro estaleiros da Itália, França, Suíça e Reino Unido.

Copyright: Lledo/ Shutterstock

Copyright: Lledo/ Shutterstock

Outra curiosidade sobre as regras da competição é que há, sim, uma equipe totalmente feminina: a Team SCA. Com três tripulantes a mais, desta forma todos os barcos ficam em pé de igualdade em relação ao peso, que faz toda a diferença.

Além disso, cada barco leva um jornalista que não ajuda em nada nas atividades esportivas. Ele – ou ela – é responsável apenas por documentar todas as histórias e aventuras vividas a bordo. Demais, não?

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

E aí, ficou curioso? Então marque sua viagem para Santa Catarina agora, que o evento já está chegando!
Até mais!


Que tal conhecer alguns dos melhores paraísos aquáticos do mundo?
Comentários Comente

Marcio Moraes

Olá amigo,

Eu amo o mar. E isso não é segredo para ninguém. Tanto que um dos meus esportes favoritos é o mergulho, e sempre faço questão de conhecer lugares fantásticos ao redor do mundo que me possibilitem contemplar a vida marinha. Por isso, a seguir, vou te mostrar 5 desses destinos incríveis. Tenho certeza que vai se apaixonar!

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Entre os Top 5 dos paraísos aquáticos está Sipadan, na Malásia, a única ilha oceânica do país. Com apenas 12 hectares, a diversidade marinha é impressionante, com cerca de três mil espécies de peixes, além de raias, mantas, tubarões e muito mais! Isso tudo, claro, merece ser preservado. Por isso, o local recebe até 120 turistas por dia, distribuídos entre os resorts da região, como o Kapalai e o Sipadan Water Village.

www.sipadan.com

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Dois dos destinos mais procurados do Mar Vermelho são Shark e Yolanda Reef. Ambos os recifes egípcios são conhecidos por apresentar diferentes espécies de tubarões e peixes raros. No primeiro, porém, é possível apreciar cardumes de barracudas devido à fauna de mar aberto. Já no segundo, o destaque fica por conta dos destroços do navio Yolanda, local que vira ninho de acasalamento entre dezembro e janeiro.

www.egypt.travel

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Mas é claro que um desses paraísos aquáticos do mundo tem que estar em solos brasileiros, não é mesmo? Afinal, a nossa terra é maravilhosa, cheia de lugares incríveis! Pois também um dos meus destinos turísticos preferidos, Fernando de Noronha impressiona com suas 230 espécies de peixes, 5 de tubarões e 15 variedades de corais. O mais bacana é a possibilidade de ver os dóceis golfinhos em águas quentinhas – chegam a até 30º C! – e a visibilidade de até 50 metros.

www.noronha.pe.gov.br

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Já no México, a ilha de Cozumel é a maior do país e também é conhecida pelas águas límpidas em azul-turquesa. Totalmente voltada para o turismo de mergulho, o lugar é propício para os mais inexperientes, pois não há a necessidade de descer muito fundo para enxergar a vida marinha presente.

www.cozumel.travel

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

E, finalmente, a linda Tailândia. Em Richelieu Rock é possível mergulhar com as baleias. Já pensou? Além disso, também há muitos peixes-gigantes, cavalos-marinhos, raias-manta, esponjas e corais moles. Tudo a apenas 15 quilômetros do Parque Nacional Marinho das Ilhas Surin. É uma experiência maravilhosa!

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

E aí, vamos começar hoje um curso de mergulho?

Até mais!