Companhia de Viagem

Europa iluminada para o Natal
Comentários Comente

Marcio Moraes

Lucerna – Suíça

Durante o mês de Dezembro a cidade fica toda iluminada por causa dos mercadinhos iluminados que são montados em comemoração ao Natal. Nessas barraquinhas são vendidos artesanatos, comidas típicas e chocolate, ao som de corais natalinos e bandas. Além das atrações, a pista de patinação no gelo que fica no centro da cidade faz sucesso e todos os anos tem apresentações.

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

 

Praga – República Tcheca

A Feira Natalina de Praga é uma das mais conhecidas no país todo. Realizada na Praça da Cidade Velha, uma arvore é montada bem no centro e em volta as barraquinhas iluminadas com luzinhas de natal oferecem desde lembrancinhas tradicionais dessa época até comidas e bebidas quentes.

Christmas Markets in Prague

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock

 

Dresden – Alemanha

Difícil escolher só um mercado de natal na Alemanha, o país é famoso historicamente pelas suas diversas feirinhas em muitas cidades. Mas escolhi o Striezelmarkt em especial, na cidade de Dresden por ser o mais antigo da Europa toda, fundada aproximadamente no aproximadamente em 1434. Localizado na Praça de Altmarkt, bem no centro a pirâmide de 14  metros decorada com figuras natalinas chama tanta atenção quanto a arvore de natal gigante. Além de poder comprar artesanatos e comidas típicas, é tradição fazerem um enorme bolo de aproximadamente 3500kg para toda a cidade provar.

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock

Fonte: Hufsky-Photography

Fonte: Hufsky-Photography

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock

Moscou – Russia

A feirinha natalina da Rússia ocorre bem no centro da famosa Praça Vermelha do fim de novembro e até o fim de janeiro. Lá você pode desfrutar de comidas típicas e bebidas, lembrancinhas russas e até um parque de diversões. As datas do mercado natalino de Moscou são um pouco diferente dos outros porque o país segue a religião Cristã Ortodoxa e eles não comemoram o natal no dia 24 de dezembro, mas sim no dia 6 de janeiro.

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock

 

Fonte: Thinkstock

Fonte: Thinkstock


Palácio do século 16 hospeda com exclusividade em Cusco
Comentários Comente

Marcio Moraes

Na tranquila Plaza Nazarenas, endereço do Museu de Arte Pré-Colombiana, vizinho do famoso Belmond Hotel Monasterio, e a uma curta distância da Plaza de Armas, está o mais novo e exclusivo hotel de Cusco: o Belmond Palacio Nazarenas. Aberto em 2012, depois de quatro anos de reformas sob a orientação de oito arqueólogos e com a supervisão do Instituto Nacional de Cultura do Peru, muito da arquitetura original foi resgatada, inclusive uma capela de arte barroca.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

O antigo palácio que também serviu de convento mistura bom gosto com paredes incas, afrescos coloniais e mobiliário com um toque moderno. Os 55 quartos circundam terraços e pátios enfeitados com flores nativas e ervas, e a primeira piscina externa aquecida da cidade. As espaçosas suítes são equipadas com bar, máquina de café e chá, lanchinhos e até pisco sour e os toaletes tem piso aquecido, banheira e chuveiros separados e opções de sabonetes artesanais.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

O serviço é impecável! Todos os hóspedes têm mordomo 24 horas pronto para ajudar com a bagagem, reservar passeios e dar dicas sobre Cusco e região. Há também wi-fi livre, biblioteca, snooker, aulas de culinária andina e o um spa totalmente oxigenado com salas de tratamento e hidromassagem. O restaurante Senzo oferece menu com pratos tradicionais da culinária peruana e contemporâneos, com ingredientes da região, com vista para o pátio da piscina.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

Todo conforto para curtir uma das mais intensas experiências de viagem da América do Sul!

Mais informações: www.belmond.com/pt-br/palacio-nazarenas-cusco/

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio


Começa a temporada de ski na América do Norte
Comentários Comente

Marcio Moraes

Jackson Hole – Estados Unidos

Classificado pela sexto ano consecutivo como o resort número 1 na América do Norte pela revista Forbes, o complexo que segue com o seu cenário de “velho-oeste” continua atraindo muitos turistas durante a temporada  de ski nos Estados Unidos.  Atualmente  10% das pistas são destinadas a iniciantes, 40% aos intermediários e 50% aos experts. São 1.261 metros verticais de terreno sem obstáculos e mais de 10 km² pistas de esqui e de snowboard. O resort fica da ao lado dos Parques Nacionais de Yellowstone e Grand Teton, e é super fácil de chegar, só pegar um dos voos diretos partindo de 12 grandes cidades dos EUA, as conexões internacionais no Aeroporto de Jackson Hole são frequentes e rápidas.

Jackson Hole

Jackson Hole

Whistler – Canadá

O complexo Whistler que sediou as Olimpíadas de Inverno em 2010,  fica a apenas 115 quilômetros de Vancouver e vale muito a pena dar uma passada lá. As suas duas montanhas Whistler e Blackcomb são ligadas pela famosa gôndola Peak2Peak, e lá se destaca a animada vila, com espaços incríveis para esqui e snowboarding, quatro campos de golfe oficiais,  restaurantes e bares e o melhor parque de mountain bike do mundo.

Whistler Foto: www.whistler.com/

Whistler Foto: www.whistler.com/

Whistler Foto: www.whistler.com/

Whistler Foto: www.whistler.com/

Park City – Estados Unidos

Localizado em Utah, nos Estados Unidos, o Park City fica a 35 minutos do aeroporto de Salt Lake City, é bem tranquilo de chegar. A temporada de neve no complexo, começa em novembro e conta com mais de 2.954 hectares de terreno para pistas. Lá, os visitantes podem escolher entre 10 mil opções de hospedagens, e o diferencial é que muitas delas é ski-in/ski-out, ou seja, o hóspede tem acesso direto às pistas, não precisa caminhar para chegar até elas.

Park City

Park City

Park City

Park City


Templos, ruínas e muito fôlego na rota do Vale Sagra
Comentários Comente

Marcio Moraes

Uma mistura de cores, sabores, ritmos e mistérios. Assim é a terra sagrada da civilização inca, em um dos países mais exóticos da América do Sul: o Peru. Aproximadamente mil quilômetros separam a capital, Lima, de Cusco, ponto de partida para conhecer o Santuário Histórico de Machu Picchu e o Vale Sagrado. A cidade, na região dos Andes, fica a quase 3.400 metros de altitude. Muito chá de coca e disposição para a esta rica maratona que vem a seguir!

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

 

Cusco, a capital do Império Inca

Dizem que na língua indígena quéchua, Cusco quer dizer “umbigo do mundo”. O ponto entre dois eixos imaginários que dividiam o império. Com a chegada dos conquistadores espanhóis, a cidade foi posta abaixo, todo o ouro enviado à Europa e os templos sagrados deram lugar às igrejas cristãs. Mas, ainda assim, construíram uma das mais ricas cidades coloniais da América do Sul, patrimônio da humanidade da Unesco desde 1983.

Com dois milhões de visitantes ao ano, o destino tem alguns destaques imperdíveis, como a Catedral de Cusco e sua diversidade religiosa, o Mercado San Pedro e o artesanato local, o bairro de San Blas e suas interessantes galerias e o Qorikancha e outros sítios arqueológicos. Vale a pena contemplar a Plaza de Armas e seu gramado florido durante o dia e as casinhas coloniais e as ruas de paralelepípedo iluminadas pelas igrejas à noite.

Bem próximo ao centro, onde ficam a maioria dos hotéis e hostels, há charmosos restaurantes como o Cicciolina, o Limo e o Chicha, do chef-celebridade Gastón Acúrio. Prove verdadeiros ceviches, cuy (espécie de porquinho-da-índia assado) e carne de alpaca.  Todos servem tanto gastronomia local quanto pratos internacionais e ficam próximos às galerias de arte, que vendem, entre outras coisas, telas bem coloridas de artistas plásticos peruanos.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

 

Rumo à mítica Machu Picchu

Há duas maneiras terrestres de chegar lá: por trilha ou por trilhos.  A última opção parte da cidade vizinha de Poroy. Na baixa estação, o trecho da ferrovia é fechado devido às chuvas. Por isso, o luxuoso Belmond Hiram Bingham parte do Belmond Hotel Rio Sagrado, no caminho de Urubamba a Ollantaytambo. O trem, que leva o nome do explorador americano que descobriu a cidade perdida dos incas, viaja pelo relevo andino até Águas Calientes, também conhecido como Machu Picchu Pueblo. Dali são mais 30 minutos de van até a entrada do parque.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

A magia da viagem já começa a bordo: todos os vagões são decorados no estilo dos Pullmans dos anos 1920, com peças em madeira polida e bronze, poltronas bem confortáveis, cristais sobre as mesas, um delicioso brunch, música instrumental ao vivo e muito pisco sour. No retorno ainda tem chá da tarde no Belmond Sanctuary Lodge, no pé do parque, e um jantar elaborado por um chef.

Para enriquecer ainda mais a experiência, em maio de 2017 o grupo Belmond também iniciará a operação do Andean Explorer. O primeiro trem de luxo com suítes na América do Sul, que fará o trajeto de Cusco ao Lago Titicaca e Arequipa, em uma das maiores rotas ferroviárias do planeta, com jornadas de uma ou duas noites. Mais tempo e conforto para contemplar boa parte das mais belas paisagens andinas.

E, sem dúvida, a mais famosa e desejada delas é Machu Picchu, com 32 mil hectares e a 2.400 metros de altitude. A misteriosa cidade sagrada, descoberta em 1911, tem a montanha de Wayna Picchu e as ruínas incas, construídas há cerca de 600 anos, como cartão-postal. Com até 2.500 visitantes por dia, o destino é Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade pela Unesco e uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo.

Apesar dos espanhóis tentarem apagar os costumes de uma civilização inteira, é interessante perceber como vários vestígios dos incas sobreviveram com o passar do século. Entre templos, igrejas, casas e comércios, são mais de 140 construções e uma energia indescritível. Um lugar que deve ser admirado e contemplado sem pressa.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

 

Vale Sagrado dos Incas

Toda a mística região dos Andes peruanos também é repleta de monumentos arqueológicos do Império Inca, muitos rios, vales de terras férteis e povoados indígenas. Durante o trajeto é possível visitar algumas comunidades, interagir com os habitantes, ter acesso a autênticas tradições e degustar a culinária típica.  E, claro, adquirir peças de artesanato, como mantas, ponchos e outras vestimentas típicas.

São vários atrativos em uma rota e não importa a ordem das paradas: o importante é curtir as características e histórias de cada lugar, com tempo. Pisac, por exemplo, tem ruínas e um mercado de artesanato. O lugar era um centro administrativo e foi construído com arquitetura especial, própria para evitar possíveis abalos sísmicos. Além das terraças, chamam a atenção os buracos nas montanhas feitos para depositar mortos e corpos mumificados.

O vilarejo de Chinchero tem um centrinho histórico e a Igreja de Nossa Senhora de Montserrat com seus afrescos naïfs. Depois vem a Salineras de Maras com seus tanques de extração de sal de mais de dois mil anos, bem antes dos incas. Ali a água do lençol é canalizada para encher cada tanque até que o fluxo seja cortado para sua evaporação. O sal aparece e é possível comprá-lo no labirinto de lojinhas que dão acesso ao lugar.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

Mais 12 quilômetros e encontra-se uma das mais belas paisagens do passeio: Moray e seus vários terraços escavados perfeitamente circulares. Os estudiosos dizem que muitas sementes foram testadas ali em cada degrau e sob condições distintas. O trajeto continua até o Parque Arqueológico de Ollantaytambo, uma construção militar criada para proteger o Império Inca de possíveis invasões dos Antis.

A riqueza natural e a herança cultural inca do Vale Sagrado podem ser desvendadas de várias formas, até se hospedando em um hotel instalado em um penhasco a 400 metros do chão. Os quartos transparentes em alumínio aeroespacial e policarbonato de alta resistência têm menos de 20 metros quadrados, mas se você precisa de mais conforto e menos adrenalina, confira nossas dicas de hospedagem a seguir.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

 

PRINCIPAIS FESTIVAIS DE CUSCO

Corpus Christi

A celebração é comemorada em todo o país, mas a festa é mais impressionante na cidade. A Catedral de Cusco, na Plaza de Armas, é especialmente decorada para saudar o Corpo de Cristo e receber 15 santos e virgens, em várias procissões.

Inti Raymi

Milhares de visitantes de todo o mundo se reúnem para apreciar o espetáculo do solstício de inverno, em 24 de junho. Centenas de atores fantasiados, músicos e dançarinos executam os ritos na Fortaleza Inca de Sacsayhuaman, uma reconstituição colorida do Festival do Sol ou Inti Raymi, em quéchua.

 

O básico sobre o Vale Sagrado:

País: Peru

Idioma: espanhol e línguas co-oficiais, como quíchua e aimará

Moeda local: nuevo sol (PEN)

Código telefônico: + 51

Melhor época: julho é o mês mais recomendado por ser um período seco e sem chuva.

Para amenizar os efeitos da altitude: mascar folhas de coca, tomar o chá, chupar balinhas ou tomar pílulas chamadas Sorojchi.

Horários do trem: www.perurail.com

www.peru.travel/pt-br/


Conheça incríveis histórias de volta ao mundo no mar
Comentários Comente

Marcio Moraes

Os enjoados que se cuidem, porque hoje vou falar de viagem de barco. Eu amo viajar, fazer cruzeiros e acompanhando notícias sobre a competição de volta ao mundo em veleiros, a Vendée Globe Race, tive a ideia de trazer algumas histórias que eu ouvi ao passar dos anos de pessoas e famílias que amam tanto o mar, a ponto de passar semanas e meses viajando em barcos e veleiros e gostaria de compartilhar com vocês. Quem sabe este post não faça surgir o seu lado aventureiro. São histórias que eu ouvi ao passar dos anos e que quero compartilhar com vocês.

Jéssica Watson

A jovem australiana Jessica Watson, de 23 anos, aos 16 deu uma volta ao mundo em seu veleiro cor de rosa. A garota que aprendeu a velejar com 8 anos, veio de uma família de velejadores e planejou a viagem por 3 anos.
Jéssica saiu de Sidney em direção ao oceano Pacífico. Seu percurso não foi fácil, teve que enfrentar 4 tempestades inesperadas, e em uma delas foi arremessada para o mar por uma onda. Depois de passar 7 meses em alto mar, a garota retornou para a Austrália e sua aventura rendeu muitos acessos para o seu blog e um livro de sua autoria.

230511_10150254936449924_8303453_n

1622753_10152347818444924_1288441271_n

Laura Dekker

A holandesa Laura Dekker que partiu aos 14 anos bateu o recorde de mais nova navegante a dar uma volta ao mundo, ao desembarcar 1 mês antes de completar 17 anos. Laura nasceu em um barco e, aos seis anos, já velejava. Aos 13 navegou sozinha da Holanda até a Inglaterra, e depois aumentou seu objetivo: queria conquistar o mundo.
Mas o processo não foi fácil, desde o início do planejamento, as autoridades sociais da Holanda tentaram impedir a viagem, alegando que ela não seria capaz de se cuidar no mar e enfrentaria muitos perigos. Depois de muita luta, Laura conseguiu embarcar na sua aventura. A holandesa partiu de Gibraltar, na Inglaterra e finalizou a viagem na ilha de Saint Maarten, território autônomo que faz parte das Antilhas Holandesas, no Caribe. A adolescente bateu o recorde que antes era da australiana Jessica Watson.

Foto: Marco De Swart/ANP/AFP

Foto: Marco De Swart/ANP/AFP

Família Portela

Ricardo Portela, sua esposa Cláudia, os filhos Lygia, Giovanna e Ricardinho e o cãozinho Dudu, da raça yorkshire, saíram no dia 12 de dezembro de 2005 para a maior aventura de suas vidas, fazer a volta ao mundo velejando, que durou 3 anos. A família, que morava em Curitiba (PR), saiu de Paranaguá-RS no Veleiro Bravo, subiram a costa brasileira até a costa norte americana, e de lá foram para o continente australiano. Depois seguiram em direção à costa africana, passando pela Indonésia, Cingapura, Malásia, Sri Lanka. Seguindo o roteiro, passaram pela Europa, na Itália, na França, em Portugal. Enfim, nesses 3 anos de viagem além de fazer muitos amigos a família ainda teve a oportunidade de conhecer os 3 oceanos e mais de 56 países. Em 2012 Claudia lançou um livro chamado “Bravo – três anos, três oceanos” contando as aventuras da família. Fiquei muito triste de descobrir que logo quando retornaram ao Brasil, o fiel e corajoso cãozinho Dudu, veio a falecer, após proteger suas donas do ataque de um cão maior, mas ele aproveitou muito enquanto viajava pelo mundo, coisa para poucos cachorrinhos.

Fonte: www.veleirobravo.com.br

Fonte: www.veleirobravo.com.br

Fonte: www.veleirobravo.com.br

Fonte: www.veleirobravo.com.br

Fonte: www.veleirobravo.com.br

Fonte: www.veleirobravo.com.br

Amir Klink

Um dos velejadores mais conhecidos no Brasil, a paixão de Amyr Klink pelo mar começou bem cedo em Parati, RJ. Filho de pai libanês e mãe sueca, foi o primeiro e único velejador a atravessar o Atlântico Sul (de Luderitz, na Namíbia até Salvador, na Bahia), remando, sozinho e com 29 anos na época. A expedição durou 100 dias e serviu de inspiração para escrever seu primeiro livro, “100 dias entre Céu e Mar”. A partir daí, Klink saiu em muitas outras expedições, entre elas 15 só para a Antártica, sozinho, e também com sua família, a esposa Marina Bandeira e as filhas, Tamara e Laura, gêmeas de 1997 e Marina Helena de 2000. Construiu os barcos IAT (que o acompanhou em 1984), Paratii e Paratii 2.

Fonte: www.amyrklink.com.br

Fonte: www.amyrklink.com.br

Fonte: www.amyrklink.com.br

Fonte: www.amyrklink.com.br


Bibliotecas maravilhosas pelo mundo
Comentários Comente

Marcio Moraes

Esse post vai para você viajante que é apaixonado por livros e arquitetura. Estamos acostumados com bibliotecas simples, com construções comuns, que costumamos visitar para estudar e pronto. Mas separei algumas para vocês, que vão muito além de livros. São arquiteturas incríveis, parecem de filme. Da só uma olhada!

 

Real Gabinete Português de Leitura – Rio de Janeiro, Brasil

O Real Gabinete Português de Leitura, localizado no Rio de Janeiro, é a maior biblioteca de obras de autores portugueses fora de Portugal. O seu acervo conta com aproximadamente 350.000 volumes, e atualmente é considerada um ponto turístico da cidade. Importantes painéis e estátuas de renomados artistas decoram o salão principal de leitura e a Galeria da Presidência. Entre as obras da biblioteca,  posso destacar um pergaminho do século 11 com manuscritos em grego sobre os quatro Evangelhos, a Bíblia de Mogúncia de 1462 e a primeira edição de Os Lusíadas de 1572.

Fonte: www.realgabinete.com.br

Fonte: www.realgabinete.com.br

Fonte: www.realgabinete.com.br

Fonte: www.realgabinete.com.br

Fonte: www.realgabinete.com.br

Fonte: www.realgabinete.com.br

 

Biblioteca Pública de Nova York – Nova York, Estados Unidos

Sim, essa é a famosa biblioteca do filme O Dia Depois de Amanhã. A rede conta com vários prédios, o  mais famoso fica na Quinta Avenida no palácio Stephen A. Schwarzman. Sua fachada de mármore de 90 cm de espessura é decorada com leões de bronze batizados de Paciência e Fortaleza. Seus quatro andares guardam 15 milhões de itens, incluindo manuscritos medievais, papiros japoneses, a cópia mais antiga de Nican Mopohua de 1531 e duas cópias da primeira edição de Comedies. É literalmente coisa de filme!

Fonte: www.nypl.org

Fonte: www.nypl.org

Fonte: www.futuremedialab.com

Fonte: www.futuremedialab.com

 

Biblioteca Nacional da República Tcheca – Praga, Republica Tcheca

A Biblioteca Nacional da República Tcheca fica em Praga e é de uma beleza impressionante. Com a sua sede principal no complexo de prédios Klementinum, tem aproximadamente 2 hectares do centro histórico de Praga. A biblioteca que é decorada com afrescos pintados por Jan Hiebel, tem um acervo de 6,5 milhões de antiguidades como itens doados pelo Imperador do Sacro Império Romano Charles IV em 1366, papiros gregos, o Código de Vyšehrad, evangelho latino de 1085 e o manuscrito Passional of the Abbess Kunhuta de 1312.

Fonte: www.boredpanda.com/

Fonte: www.boredpanda.com/

Fonte: www.mgur.com/user/redheadsdoitbetter

Fonte: www.mgur.com/user/redheadsdoitbetter

 

Biblioteca Nacional Mariano Moreno – Buenos Aires, Argentina

A Biblioteca Nacional Mariano Moreno fica na Argentina, e é considerada a maior do país. O prédio segue a linha arquitetônica brutalista e foi erguida onde morou Juan e Evita Perón, interessante não é? A biblioteca conta com 21 livros raríssimos, como uma folha da Bíblia de Gutenberg de 1450 e duas obras inteiras de autoria de São Tomás de Aquino. Lá você também pode encontrar alas são de hemeroteca, fotografia, áudios, mapas, partituras e  leitura em braile, além de exposições que ocorrem lá frequentemente.

Fonte: www.wikiarquitectura.com

Fonte: www.wikiarquitectura.com

Fonte: www.taringa.net/

Fonte: www.taringa.net/

Fonte: www.laarena.com.ar

Fonte: www.laarena.com.ar

 

Biblioteca Palafoxiana – Puebla, México

Localizada em Puebla no México, foi a primeira biblioteca construída no continente americano, fundada quando o bispo Juan de Palafox e Mendoza doou 5 mil livros de seu acervo pessoal. Hoje a biblioteca conta com mais de 45 mil volumes e foi incluída na Lista da Memória do Mundo pela UNESCO em 2005. Os livros ainda ficam nas estantes originais do século XVIII e a biblioteca ainda abriga uma obra de Nino Pisano, pintor siciliano, chamada Madonna de Trapani.

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio

Fonte: Mariana Sampaio


Tour pela Jordânia
Comentários Comente

Marcio Moraes

Apesar de ficar localizada em uma área de conflito, a Jordânia é conhecida como um país exemplo em tolerância religiosa e paz. Mais de 90% da população é muçulmana, então se for visitar uma mesquita, vista-se apropriadamente. É um dos países mais procurados por turistas  e romeiros nessa área, não só pela segurança mas pela história que exala de todos os cantos por lá, citada em vários livros da Bíblia, e por consequência, seus pontos turísticos.

Aconselho a começarem a viagem por Amã, capital da Jordânia e ponto de partida para as outras cidades. Por ter mais de 5 mil anos de história, a cidade  abriga tanto construções antigas como prédios novos, uma das maiores belezas da cidade.

Lá você pode visitar a Mesquita El-Malek Abdullah, a mais importante da cidade. É muito fácil de encontrar de qualquer parte que você estiver em Amã, devido ao seu domo azul turquesa, foi construída no ano 170 d.C e podia receber quase seis mil fiéis.

Mesquita El-Malek Abdullah Foto: misfotosdecantabria

Mesquita El-Malek Abdullah Foto: misfotosdecantabria

Saindo de Amã, o próximo destino é o Monte Nebo. O Monte Nebo é muito importante para as religiões cristãs pois, segundo a Bíblia, foi onde Moisés avistou a terra prometida e onde foi enterrado. Do alto desse monte você pode ver a terra Santa e o Vale do Rio Jordão, é lindo.

Monte Nebo Foto: Daniel Buarque

Monte Nebo Foto: Daniel Buarque

A viagem segue para o Mar Morto, parada obrigatória. A 400 metros abaixo do nível do mar é onde tem a maior concentração de sal do mundo, muitas vezes é considerado como um SPA a céu aberto devido às propriedades da água e dos nutrientes da lama ao redor do Mar Morto, que são muito benéficas para a pele. Por ser muito salinizada, as pessoas conseguem boiar na água facilmente e isso é o mais divertido, só que tem que ter cuidado e não fazer muitos movimentos bruscos para não entrar no ouvido ou nos olhos porque arde muito e não pode ficar muito tempo dentro da água, senão a pressão pode cair.

Mar Morto Foto: www.menorahnet

Mar Morto Foto: www.menorahnet

 

A último ponto turístico que eu venho apresentar para vocês é a cidade de Petra, uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno, decretado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1985, a cidade já encanta logo na entrada.

Para chegar até lá você tem que passar por um paredão de pedras enormes que chama Siq e que te leva até a Câmara do Tesouro, conhecida como Al-Khazneh, cartão postal da cidade. Ela foi cenário para algumas cenas do filme “Indiana Jones e a Última Cruzada”, mas, além disso todas as ruínas da cidade são maravilhosas, uma aula de história ao vivo..

Para finalizar,  na cidade de Petra também acontece um evento noturno 3 vezes por semana que se chama Petra by Night. Todo o caminho até a Câmara do Tesouro e a própria câmara são iluminados somente por velas, com show de música tradicional no local. Uma experiência inesquecível!

Petra

Petra


Top 5: Marrocos (muito além de O Clone)
Comentários Comente

Marcio Moraes

Duvido que, quando você leu o título do post, não pensou na hora na novela O Clone, que foi gravada nesse país espetacular. Marrocos, um país antigo, o islamismo é a religião predominante e encanta pela arquitetura dos templos, sua cultura e tradição. Venha conhecer 5 lugares que você não deve perder nas principais cidades do país.

1- Medina de Fez

Localizada na parte islâmica da cidade de Fez, a Medina de Fez ou (Almedina) foi fundada no século IX e abriga a universidade mais antiga do mundo. Fez tem duas almedinas, mas essa é a mais importante.

Foto: http://www.telegraph.co.uk/

Foto: http://www.telegraph.co.uk/

 

2- Os curtumes de Fez

Você nunca pensaria em viajar para visitar um curtume não é? Mas os Curtumes de Fez são parada obrigatória e conhecidos em todo Marrocos. Lá você pode acompanhar o tratamento da pele animal e os tanques utilizados para pintar, elas ficam de molho por quatro dias. O cheiro, é claro, é bem forte, uma mistura de esterco dos animais com a amônia utilizada na limpeza da pele, por isso os turistas recebem um ramo de hortelã para cheirar. Vale a pena e você também vê os trabalhadores com os pés e pernas dentro do tanque, bem tradicional.

Foto: Rafaela Ambrósio

Foto: Rafaela Ambrósio

3- Mesquita Hassan II

Inaugurada em 1993 na cidade de Casablanca, parte da mesquita Hassan II foi construída no mar e é o templo mais alto e a segunda maior mesquita do mundo, você pode fazer um tour guiado até o mirante. É considerada uma das mesquitas mais lindas da religião muçulmana. Possui uma sala de orações com capacidade para mais de 20 mil fieis e salas de purificações.

Mesquita Hassan II

 

4- Praça Djemaa el Fna

A Praça Djemaa el Dna é a principal da cidade de Marraquexe e é fantástica. Está a lista de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Unesco desde 2008. É super movimentada e turistica, tem varias lojas ao redor, encantadores de cobras, que ao tocarem a flauta uma Naja sai do balaio, faquir engolidor de espadas, pessoas com macaquinhos para tirar fotos e muita comida típica.

Praça Djemaa el Fna

5- Mausoléu de Mohammed V

O Mausoléu de Mohammed V fica na cidade de Rabat, capital do Marrocos, considerado uma obra prima da dinastia Alauita, possui uma estrutura maravilhosa. Nele estão os túmulos do Rei Hassan II e seus dois filhos. Tem muitos pertences dos príncipes, mas não pode tirar foto lá dentro.

Mausoléu de Mohammed V


Conheça Quebec – a beleza francesa na América do Norte
Comentários Comente

Marcio Moraes

O Canadá é um país bilíngue, uma parte fala inglês e a província de Quebec, a maior do canadá, tem como língua oficial o francês. A capital da província possui o mesmo nome e é considerada a cidade mais antiga do país.

Quebec foi a primeira comunidade francesa no continente americano e é muito legal ver essa diferença de placas dentro do Canadá. Considerada um pedacinho da França na América do Norte, é uma província com estilo bem europeu e a culinária tem muita influência francesa, até a tradicional comida canadense é modificada por lá e a cidade de Quebec tem muitas atrações para quem quer visitar.

 

Chateau Frontenac

O hotel possui no último andar um observatório a vista de lá de cima é linda e é considerado um dos melhores hotéis da cidade.

Chateau Frontenac

 

Citadelle

É o edifício militar mais antigo do Canadá e faz parte das fortificações de Quebec City. Lá você pode fazer visitas guiadas que mostram os edifícios, bastiões e outras fortalezas, podendo ver o museu do regimento e uma antiga prisão militar. 

Citadelle

 

Hôtel du Parlement

O hotel do Parlamento de Quebec  é o edifício que abriga a Assembléia Nacional de Quebec. Quando eu visitei estava em reforma, mas mesmo assim é encantador a sua arquitetura. Vale a pena dar uma passadinha por lá!

Quebec City's Parliament  Building


Se encante com a belíssima e multicultural cidade de Sevilha
Comentários Comente

Marcio Moraes

Sevilha, que está situada na comunidade de Andaluzia e é a quarta maior cidades da Espanha, encanta a todos por seu passado cultural e a arquitetura. A enorme influência moura e árabe, alám da renascentista e gótica tornam a cidade única, um museu a céu aberto. Por ser especial para todos que a visitam, resolvi trazer hoje 5 coisas  que vocês devem conhecer na maravilhosa ''Sevilla''.

Catedral de Sevilha

A catedral gótica de Sevilha também é conhecida como Catedral de Santa Maria da Sede, é a maior da Espanha e a 3ª maior do mundo. Construída durante o século XV no estilo gótico sobre uma mesquita, foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, no ano de 1987.

Fonte: www.romatours.pt

Fonte: www.romatours.pt

Plaza de España

A Praça da Espanha tem o formato de uma ferradura de cavalo e um canal com quatro pontes, semelhante a Veneza. Foi construída em 1928 para a Exposição Ibero-Americana de 1929 e mistura os estilos renascentista e neomudéjar.

Fonte: www.expedia.com.br

Fonte: www.expedia.com.br

Torre Del Oro

Foi construída em 1222 para vigiar e proteger a cidade de possíveis invasões feitas pelo Rio Guadalquivir e o nome vem por causa dos seus azulejos dourados. Hoje você pode subir até o topo e ter uma visão maravilhosa da cidade além de curtir o museu naval em seu interior.

Fonte: www.expedia.com.br

Fonte: www.expedia.com.br

Real Alcázar

Um dos palácios reais mais antigos da Europa, Alcázar significa “Palácio” em árabe. Eram fortalezas dos mouros que depois se tornaram palácios dos reis e mistura o estilo islâmico gótico e renascentista.

Fonte: www.nattivus.com

Fonte: www.nattivus.com

Plaza de Toros de la Real Maestranza

É a praça onde acontecem as famosas touradas espanholas. Independente da opinião de cada um é um lugar bem interessante para visitar e aprender um pouco mais sobre a região.

Fonte: sevilla.ociogo.com

Fonte: sevilla.ociogo.com