menu
Topo
Blog do Marcio Moraes

Blog do Marcio Moraes

Histórico

Patagônia: uma viagem de luxo ao fim do mundo

Marcio Moraes

26/10/2018 08h00

Diferente de tantos destinos mundo afora, nos quais as construções feitas pelo homem ganham a atenção dos turistas, na Patagônia a grande estrela é a natureza. A Patagônia argentina é famosa no inverno, porém, são nos meses mais quentes que muitos passeios conseguem ser realizados e que o contraste do verde com o gelo fica mais evidente. Além disso, os valores gastos agradam mais o bolso dos turistas. Confira o que o Companhia de Viagem preparou sobre esse destino sensacional:

Normalmente, os pacotes com saída no Brasil incluem um pequeno período em Buenos Aires, onde pega-se um avião para El Calafate e, depois, para Ushuaia.

Considerada o fim do mundo por ser o ponto de presença humana mais austral (ao sul) antes da Antártida, a capital da província da Terra do Fogo vem sendo cada vez mais procurada por turistas de todo mundo por ter paisagens muito bonitas e completamente diferentes do tipo de natureza com a qual estamos acostumados.

Como não há voos direto do Brasil, o ideal é passar uma noite em Buenos Aires para recuperar as energias. Por isso, tente adquirir uma passagem aérea com data para o dia seguinte da sua chegada à Argentina. Aproveite a pausa para conhecer alguns pontos importantes e famosos que fazem parte da vida dos nossos hermanos.

Foto: Glaciar Perito Moreno – iStock

El Calafate

Muitos turistas brasileiros ainda escolhem passar por El Calafate antes de chegar a Ushuaia. A cidade também faz parte da Patagônia argentina e está localizada na Província de Santa Cruz, às margens do lago Argentino, o maior do país. A cidade é extremamente bonita e aconchegante, com uma rua principal onde encontram-se as lojas, os restaurantes e as agências que oferecem e agendam todas as opções de passeios. Seu nome vem do arbusto calafate, típico do sul patagônico, cujo fruto é muito usado para produzir doces (como bombons e sorvetes) e geleias.

Em El Calafate já é possível começar um roteiro repleto de aventuras e experiências únicas. Um dos passeios mais procurados é o minitrekking em cima de uma parte estável do Glaciar Perito Moreno. Para isso, recomenda-se que o turista agasalhe-se bem, de preferência com roupas impermeáveis, pois o tempo por ali é muito instável.

Foto: Gabriela Cardoso – iStock

Trekking

Antes de começar a caminhada, os chamados grampones são presos aos tênis dos aventureiros para que seja possível andar em cima do gelo. Guias especializados acompanham os grupos durante todo o percurso, fornecendo informações sobre a região.

O passeio inusitado é repleto de paisagens inesquecíveis e formações de pequenos lagos com diferentes tonalidades de azul, que deixam o visual ainda mais fascinante. Toda a água do glaciar é potável e, assim, o turista consegue manter-se hidratado durante o trajeto, que leva cerca de uma hora e meia.
Para esquentar o clima, é servido wisky e alfajores para todos no final do trekking, ainda em cima da geleira, com um detalhe que torna o drink ainda mais especial: os gelos colocados nos copos são retirados da geleira, na hora do brinde, pelos guias.

Foto: Faabi – iStock

Outro passeio que fica para sempre na memória dos turistas é o chamado "Todos os Glaciares", que dura o dia inteiro e percorre o braço norte do lago Argentino. A aventura começa logo de manhã em Puerto Bandera, a 46 quilômetros de El Calafate. As embarcações que realizam o passeio são catamarãs modernos e confortáveis, alguns com até três andares e terraços que permitem uma visão privilegiada da Cordilhira dos Andes, dos icebergs e das geleiras.

A navegação começa com a apresentação do guia, que fornece informações relevantes sobre os locais pelos quais o catamarã vai passar. No meio da manhã, é feita uma parada na Bahia Onelli. Todos desembarcam e são convidados a caminhar 800 metros por um bosque pertencente ao Parque Nacional Los Glaciares. O parque recebe este nome por possuir 47 glaciais contidos nos seus 600 mil hectares. Ele foi criado em 1937 e em 1981 foi reconhecido Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco.

No fim da caminhada, chega-se à beira da lagoa Onelli para contemplar um visual encantador: incontáveis pedaços de gelo com vários tamanhos e formatos se desprendem das geleiras e vão sendo levados pelo vento, formando uma paisagem extasiante capaz de render ótimas fotos. Os turistas passam horas pegando pedaços grandes de gelo e contemplando o visual.

Ao regressar para a embarcação, começa o espetáculos dos icebergs. No começo, eles são pequenos, mas já causam grande impacto em quem nunca viu um desses tão de perto. Porém, depois de mais alguns minutos, pode-se avistar gigantescos pedaços de gelo, com tons de azul e formatos inacreditáveis: icebergs com um círculo vazado no meio, em forma de pirâmide e com textura aerada são só alguns exemplos. E quando todos já estão fascinados o suficiente para a experiência tornar-se inesquecível, chega a vez dos glaciais.

Foto: Erlantz Pérez Rodríguez – iStock

Saiba mais sobre os glaciais

– Upsala: o maior glacial do gelo continental patagônico, com quase 500 quilômetros quadrados (quatro vezes o tamanho de Buenos Aires) e paredes que chegam a 80 metros de altura.

– Seco: Recebeu este nome por ser o único que não chegar até o lago. Possui quatro quilômetros quadrados.

– Spegazzini: O mais alto de todos eles, chegando a 135 metros de altura. Possui 66 quilômetros quadrados.

Se você gostou dessa matéria, compartilhe com seus amigos!

Quer mais dicas como essa? Assista ao Companhia de Viagem aos domingos, às 19h30, na Record News!

Sobre o blog

Para viajar sem sair de casa. O blog do Marcio Moraes apresenta lugares fascinantes para inspirar o imaginário do viajante. Por meio de dicas, o leitor viverá as melhores experiências dos destinos com restaurantes, hot spots e listas capazes de ampliar horizontes. Que tal entrar em contato com novas culturas e desbravar pelo mundo em um clique? Embarque nessa viagem!