Blog do Marcio Moraes

Histórico

Do funk ao maxixe: os melhores lugares para curtir a música brasileira

Marcio Moraes

02/09/2016 09h30

Vocês já devem ter sentido: a música tem o poder transformador de igualar, aproximar, unir. Através de tons, melodias e acordes, os sons falam uma língua universal e tocam qualquer um que estiver disposto a ouvir. A música é uma das mais importantes manifestações culturais brasileiras, e um dos meus prazeres é poder unir dois amores: viajar e escutar a cultura traduzida em notas. Veja a seguir estilos musicais e pontos no Brasil onde podemos aproveitá-los ao máximo.

1- Pedra do Sal (Rio de Janeiro): samba carioca

Samba no Rio de Janeiro

Foto: Nico Kaiser

O Rio de Janeiro é destino de vanguarda artística, sem perder as influências de outros estados do país. Quando o samba carioca surgiu, no meio do século XIX, na Pedra do Sal – no revitalizado Porto Maravilha –, a cena musical da região apelidada de Pequena África incluía o forró, vindo dos Estados de Paraíba (PB) e Alagoas (AL), o carioca chorinho, com flauta, cavaquinho e violão, e danças quilombolas como a umbigada.

Até hoje, a Pedra do Sal é ponto de encontro de sambistas e boêmios, que enchem o espaço com o som de raiz toda segunda-feira. No gogó, o grupo Roda da Pedra anima a noite de turistas e jovens. Outras rodas interessantes são o Samba da Ouvidor, aos sábados, e a Roda de Samba Cacique de Ramos, que revelou nomes como Zeca Pagodinho, Jovelina Pérola Negra e Jorge Aragão. A festa acontece todos os domingos há mais de 50 anos no bairro Olaria.

2- Rio de Janeiro: bossa nova, maxixe e funk

Bossa nova maxixe e funk no Rio de Janeiro

Foto: Henrique Cafundo

Para além do samba, gafieira e chorinho, o Rio também é precursor de outros ritmos brasileiros:

Bossa Nova – Criado no fim dos anos 50 por grandes mestres da música brasileira, como João Gilberto, Vinícius de Moraes e Tom Jobim, o gênero musical vem do samba e do jazz. É visto como um ritmo sofisticado, aqui e mundo afora.

Maxixe – Considerado o tango brasileiro, o maxixe surgiu na belle epóque do País, influenciado tanto pela vinda da dança de salão europeia como pelas danças africanas, como a marrabenta, de Moçambique.

Funk – A mais moderna música carioca é o funk, ritmo que desceu dos morros para garantir espaço de honra nas melhores baladas do Rio de Janeiro – e do Brasil. A batida pesada é acompanhada de letras que promovem a ostentação e sexualidade como lifestyle.

3- Centro de São Paulo (São Paulo): Samba da Vela e Samba do Bule

Samba em São Paulo

Foto: Taina Azeredo

O samba carioca é quase unanimidade no Brasil, mas dá para encontrar boas opções fora do Rio. É o caso do Samba da Vela, na capital paulista, que acontece toda segunda-feira e só termina quando a chama se apaga. Outra roda interessante é o Samba do Bule, no centro de São Paulo (SP). A entrada é gratuita, mas cada um pode contribuir colocando um valor dentro de um bule – por isso o nome. Vale lembrar que tanto o pagode quanto o samba-rock, dois gêneros paulistanos por natureza, são adaptações do samba carioca.

4- Recôncavo Baiano (Bahia): samba e axé

Axé e carnaval em Salvador

Divulgação

No Recôncavo, berço da primeira versão do ritmo, o samba de roda se tornou Obra Prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela Unesco. Porém, é pelo axé – uma mistura de forró, calipso, frevo, maracatu e reggae — que os baianos se manifestam de um jeito mais intenso. Durante o Carnaval na capital, o Camarote Salvador é o melhor lugar para curtir a folia – regada a drinques e algumas extravagâncias, como salão de beleza e lounge para massoterapia.

5- Alagoas, Sergipe, Ceará e Rio de Janeiro: forró

Forró no Nordeste

Foto: Divulgação

O forró é um gênero da dança de salão que poderia caracterizar a música brasileira. Os sons da sanfona, zabumba e triângulo estão enraizados no Nordeste, principalmente em Alagoas, Sergipe e Ceará. E podem ser encontrados em praticamente todo o território: de Exu (PE), cidade natal do mestre Luiz Gonzaga, a Brasília (DF), terra do rock nacional. Em Fortaleza (CE), o forró é um programa imperdível para quem quer se aprofundar na pulsante vida noturna da cidade.

O Arre Égua, por exemplo, funciona como restaurante, mas ferve às quartas e sextas-feiras com música ao vivo e pés de valsa no salão. Outro lugar bacana na capital cearense é o Centro Cultural Dragão do Mar, na praia de Iracema, onde charmosas casas coloniais abrigam bares e casas noturnas.

No Rio de Janeiro, há opções de forró a semana toda, literalmente. O Casadinho, em Laranjeiras, anima as noites de segunda-feira, enquanto o Forró da Lapa, a Quarta Democrática e o Forró Leviano dão sequência à farra dos dias úteis. No fim de semana, dá para dançar o arrasta-pé no Forró do Cais às sextas, e na Forrozada, aos sábados. E quem pensa que domingo é dia de descanso está enganado: o Centro Cultural Carioca fecha a semana musical com banda ao vivo e muita agitação.

Sobre o blog

Para viajar sem sair de casa. O blog do Marcio Moraes apresenta lugares fascinantes para inspirar o imaginário do viajante. Por meio de dicas, o leitor viverá as melhores experiências dos destinos com restaurantes, hot spots e listas capazes de ampliar horizontes. Que tal entrar em contato com novas culturas e desbravar pelo mundo em um clique? Embarque nessa viagem!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Blog do Marcio Moraes
Topo